pintos

Out 31

Os preços do pintainho de corte neste segundo semestre de 2018 estão se mantendo em patamares superiores aos verificados na primeira metade do ano. O fato se deve, principalmente, à redução da produção.

Segundo dados da Apinco (Associação Brasileira dos Produtores de Pintos de Corte), de janeiro a agosto deste ano, foram produzidas cerca de 4 bilhões de cabeças de pintainhos. O número é  3,5% menorque o do mesmo período de 2017, quando foram produzidas 4,15 bilhões de pintainhos.

Segundo pesquisadores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), uma das razões dessa queda no alojamento foram as estratégias traçadas pelo setor, com o objetivo de regular a produção de pintainhos. No início de 2018, a indústria avícola brasileira começou a trabalhar para reduzir o alojamento de aves no país com o objetivo de ajustar a produção após o cancelamento das exportações da carne brasileira à União Europeia.

A menor produção de animais, por sua vez, tem resultado em alta nas cotações dos pintainhos.

Além disso, os pesquisadores do Cepea reputam a alta nos preços também ao crescimento das exportações brasileiras de ovos férteis. Dados da Secex (Secretaria de Comércio Exterior), ligada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, mostram que, de janeiro a agosto de 2018, foram embarcadas 10 mil toneladas de ovos férteis, contra 7,6 mil toneladas no mesmo período do ano anterior. Os números representam uma alta de expressivos 32%.

Desde o mês de maio, o Brasil já está liberado para exportar ovos férteis e pintos de um dia para o Quênia. No mesmo mês foi renovada a autorização para continuar exportando material genético para o Equador por mais três anos.

No estado de São Paulo uma unidade de pintainho de corte foi comercializada, na média, a R$ 0,94entre janeiro e agosto do ano passado, em termos nominais. Já em 2018, a média de negociação de cada animal custou uma média de R$ 1,03 no mesmo intervalo. A variação corresponde a uma alta de 10%.

Fonte: AviNews – com informações do Cepea

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *