frango cru]

Jun 12

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) divulgou comunicado na última sexta-feira, 8 de junho, protestando contra a decisão do Ministério do Comércio da China (MOFCOM, na sigla em inglês) de aplicar tarifas à carne de frango brasileira, como direito antidumping provisório. “A associação reafirma que não há qualquer nexo causal entre as exportações de carne de frango do Brasil e eventuais situações mercadológicas locais”, informa a ABPA na nota.

Segundo a ABPA, os esclarecimentos apresentados pelo setor produtivo e pelas agroindústrias exportadoras deixaram clara a ausência de qualquer possível dano aos produtores e ao mercado chinês. A entidade considera que a determinação da medida é um retrocesso nas relações comerciais construídas por brasileiros e chineses ao longo desta década.

“Apesar de uma potencial retração no desempenho dos embarques em toneladas, o fluxo comercial deverá ser mantido mesmo com a imposição da medida, frente à necessidade e alta demanda do mercado chinês”, diz a ABPA.

Em 2017, o país asiático foi destino de 391.400 toneladas de carne de frango do Brasil, equivalente a 9,2% de tudo o que o Brasil embarcou no período.

A ABPA lembra que a investigação de antidumping foi iniciada em agosto de 2017, por solicitação de produtores locais. O processo conduzido pelo governo chinês contemplou, inclusive, empresas que não exportam para o país asiático. “A decisão é provisória. A medida final será anunciada em agosto deste ano. A ABPA continuará a trabalhar no âmbito do processo, buscando reverter a decisão imposta temporariamente”, completa a associação na nota.

Na noite da ultima quinta-feira, 7 de junho, o governo chinês anunciou em veredicto preliminar a imposição de tarifas antidumping contra a importação de frangos do Brasil. A partir de amanhã (9), os frangos importados do Brasil estarão sujeitos a tarifas que variam de 18,8% a 38,4%. O pagamento terá de ser feito em dinheiro à Administração Geral de Alfândegas, informou o Ministério.

Governo declara apoio –  Os Ministérios da Agricultura, da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) e de Relações Exteriores lamentaram, em nota conjunta, a medida. “O Brasil manifestou formalmente, no âmbito da investigação, seu entendimento sobre a inexistência de dano aos produtores chineses de produtos de frango causado pelas exportações brasileiras e sobre a ausência de requisitos previstos na normativa da Organização Mundial de Comércio (OMC) que autorizem a imposição de medidas antidumping”, dizem no comunicado.

O governo brasileiro diz que seguirá em contato com as empresas exportadoras e a associação representativa do setor no Brasil, “fornecendo todo o apoio necessário no transcorrer da investigação e atento ao fiel cumprimento dos acordos da OMC”. “Considerando a ausência de fundamentos no caso concreto, o Brasil espera que o governo da China encerre a investigação em curso, sem a aplicação de medida antidumping definitiva”, afirmam

Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *